•  
  •  
 

Keywords

prison education, rehabilitation, reentry, prison sociology, adult education

Abstract

The call for social reintegration of prisoners, in many cases, does not work or has been abandoned, leaving the question of inclusivity regarding the imprisoned an open challenge in contemporary societies. My study provides a critical analysis of a model defined as an educational system of social reintegration, which aspires to be an alternative to imprisonment in Brazil and worldwide by proposing a reduction in the recidivism rate at a lower cost. I discuss the possibilities of social reintegration and the educational conceptions and practices that can emerge from it, though a document analysis and ethnography of two model units. Starting from an already-existing model, I argue that, even in an extremely difficult context, it is possible to build a proposal for social reintegration that goes beyond mere bureaucratic marketing. This can improve the prospects of imprisoned people’s re-entry into society, despite the persistence of stigmatisation and other difficulties attending their return to a society affected by high unemployment rates.

Author Bio

Sergio Grossi is starting postdoctoral research at the Center for the Study of Violence at the University of São Paulo, and he will be visiting scholar at the Cambridge Institute of Criminology, carrying out an international comparison of model experiences of education, reintegration, and prison. He holds a Ph.D. in Educational Sciences from the University of Padua and the Fluminense Federal University of Rio de Janeiro, a Master’s degree in Design and Management of Educational Interventions in Social Distress, partially performed at the Paris X Nanterre University, and a degree in Philosophy, Cognition, and Psychology from the University of Bologna.

References

Aebi, M. F., Delgrande, N., & Marguet, Y. (2015). Have community sanctions and measures widened the net of the European criminal justice systems? Punishment and Society, 17(5), 575–597.

Andrade, M. S. de. (2015). Modos de subjetivação no discurso de mulheres aprisionadas: Análises das práticas de constituição de si [Master’s dissertation, Universidade Federal de São João del-Rei].

Augusto, M. L. (2016). Fabricando novos homens: Religiosidade e Gestão Prisional na APAC de Santa Luzia-Minas Gerais [Unpublished master’s dissertation]. Universidade Federal de Minas Gerais.

Babini, V. P. (2009). Liberi tutti. Manicomi e psichiatri in Italia: Una storia del novecento. Il Mulino.

Baratta, A. (2019). Criminologia critica e critica del diritto penale: Introduzione alla sociologia giuridico-penale. Meltemi.

Basaglia, F., & Franca., B. O. (1975). Crimini di pace: Ricerche sugli intellettuali e sui tecnici come addetti all’oppressione. Giulio Einaudi.

Carvalho, J. F. S. (2016). Desenvolvimento e políticas públicas: A ressocialização de recuperandos em uma unidade prisional do sul de Minas Gerais [Master’s dissertation, Universidade Federal de Itajubá]. Repositório Unifei. http://repositorio.unifei.edu.br:8080/xmlui/handle/123456789/559

Conselho Nacional do Ministério Público. (2013). A visão do Ministério Público sobre o sistema prisional Brasileiro. Gráfica e Editora Movimento.

Costa, A. C. G. da. (2010). Pedagogia da presença: Da solidão ao encontro: Introdução ao trabalho sócio-educativo junto a adolescentes em dificuldades (2nd ed.). Modus Faciendi.

Coutinho, A. de S. L. (2009). Família, trabalho e religião: Fatores de reintegração do detento? Um estudo comparativo e descritivo entre o sistema prisional comum e a Associação de Proteção e Assistência aos Condenados [Master’s dissertation, Universidade Federal de Viçosa]. Locus UFV. https://locus.ufv.br//handle/123456789/3324

Coyle, A., Fair, H., Jacobson, J., & Walmsley, R. (2016). Imprisonment worldwide: The current situation and an alternative future. Policy Press.

Departamento Penitenciário Nacional. (2017). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias Atualização - Junho de 2016. Departamento Penitenciário Nacional.

Darke, S. (2014). Self-Governing Prison Communities: the APAC Phenomenon. Revista Brasileira de Ciências Criminais, 107, 257–276.

Fazel, S., & Wolf, A. (2015). A systematic review of criminal recidivism rates worldwide: Current difficulties and recommendations for best practice. PLOS ONE, 10(6), Article e0130390.

Ferreira, V. G. (2015). Governança colaborativa na prática: Uma análise das experiências nas APACs [Master’s dissertation, Fundação Getulio Vargas]. Repositório Digital FGV. https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace;/handle/10438/13627

Foucault, M. (1975). Surveiller et punir: Naissance de la prison. Éditions Gallimard.

Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados. (2016). Filiação ã PFI. Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados. https://www.fbac.org.br/2021/pt/filiapfi

Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados. (2019a). APAC será adotada como política pública no país. Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados. https://www.fbac.org.br/2021/index.php/noticias-site/2532-apac-sera-adotada-como-politica-publica-no-pais

Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados. (2019b, July 07). Relatório sobre as APACs. Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados. http://www.fbac.org.br/infoapac/relatoriogeral.php

Fuzatto, A. C. de J. (2008). Socialização no sistema prisional convencional e alternativo em Minas Gerais: Estudo com encarcerados [Master’s dissertation, Universidade Presidente Antônio Carlos (Barbacena)]. Repositório FUCAP/UNIPAC. https://ri.unipac.br/repositorio/trabalhos-academicos/socializacao-no-sistema-prisional-convencional-e-alternativo-em-minas-gerais-estudo-com-encarcerados/

Garland, D. (1999). As contradições da sociedade punitiva: O caso Britânico. Revista de Sociologia e Política, 13, 59–80.

Garland, D. (2001). The culture of control: Crime and social order in contemporary society. University of Chicago Press.

Goffman, E. (1961). Asylums: Essays on the social situation of mental patients and other inmates. Anchor Books.

Goffman, E. (1963). Stigma: Notes on the management of spoiled identity. Penguin.

Grossi, S. (2020a). Uma outra educação é possível nas prisões? O caso da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC) (Is another education possible in prisons? The case of the Association for the Protection and Assistance of the Convicted (APAC)) [Università di Padova]. https://www.researchgate.net/profile/Sergio_Grossi

Grossi, S. (2020b). Educazione e carcere - una proposta dal Brasile (Education and prison - a proposal from Brazil). Educazione Aperta - Rivista Di Pedagogia Critica, 8, 109–132. https://doi.org/10.5281/zenodo.4394348

Grossi, S. (2021). A questão prisional entre educação, reintegração e abolição: reflexões sobre o modelo das Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (APACs) no Brasil. (The prison issue between education, reintegration and abolition [...]). Revista Educação e Cultura Contemporânea, 18(53), 06–25. https://doi.org/10.5935/2238-1279.20210028

Guerra, R. R. (2014). A família no cárcere: Uma contribuição à crítica do método de cumprimento de pena criminal na APAC de Itaúna (MG) [Master’s dissertation, Universidade Católica do Salvador]. Repositório UCS. http://hdl.handle.net/123456730/224

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2015a). A aplicação de penas e medidas alternativas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2015b). Reincidência criminal no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Massola, G. M. (2005). A subcultura prisional e os limites da ação da APAC sobre as políticas penais públicas um estudo na cadeia pública de Bragança Paulista [Doctoral thesis, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital USP. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-08112013-105555/pt-br.php

Muhle, E. P. (2013). A prisão terrena no paraíso celestial: APAC, uma alternativa humana ao cumprimento da pena privativa de liberdade [Master’s dissertation, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul]. Repositório PUCRS. https://hdl.handle.net/10923/1734

Oliveira, L. G. (2012). A voz dos silenciados: Analisando a contrução de identidade dos recuperandos da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados – APAC - Viçosa [Master’s dissertation, Universidade Federal de Viçosa]. Locus UFV. http://locus.ufv.br/handle/123456789/4857

Oliveira, V. N. E. (2013). Prisões sem guardas: Uma experiência liderada por grupos religiosos [Master’s dissertation, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório UFMG. http://hdl.handle.net/1843/BUBD-AEUM9U

Ottoboni, M. (2014). Vamos matar o criminoso? Método APAC. Paulinas.

Pasti, N. M. L. (2016). Representações de gênero na aplicação do método APAC (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados) em Itaúna – Minas Gerais [Unpublished master’s dissertation]. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Resende, J. M. (2013). Desinstitucionalização prisional e o discurso do método APAC [Master’s dissertation, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório UFMG. http://hdl.handle.net/1843/BUBD-9HKHJH

Restán, J. (2017). Del amor nadie huye: La experiencia de las cárceles de APAC en Brasil. CESAL Ong.

Rossato, L. C. (2015). A educação nos presídios e os direitos humanos [Master’s dissertation, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul]. Biblioteca Unijui. http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/handle/123456789/5008

Silva, A. (2014). O panóptico no território das APACs [Unpublished master’s dissertation]. Universidade Vale do Rio Doce.

Silva, C. M. M. (2014). Trabalho e política de qualificação profissional do sistema prisional: Um estudo contextualizado no Presídio Helena Maria da Conceição de Ituiutaba/MG e nas Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (APACs) de Ituiutaba e Itaúna/MG [Doctoral thesis, Universidade Federal de Uberlândia]. Repositório UFU. https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/13679

Silva, D. M. da. (2007). Análise do perfil dos crimes praticados pelos presos que cumprem pena na APAC-Associação de Proteção e Assistência aos Condenados [Unpublished postgraduate dissertation]. Universidade Federal de Minas Gerais.

Silva, F. L. A. da. (2007). Método APAC: Modelo de justiça restaurativa aplicada à pena privativa de liberdade [Master’s dissertation, Centro Universitário Fluminense]. Arquivos Uniflu. http://fdc.br/arquivos/mestrado/dissertacoes/integra/fernandolaercio.pdf

Silva, W. G. da. (2014). Lazer e juventude encarcerada: Tensões entre trabalho, disciplina e práticas culturais em uma unidade prisional da APAC [Master’s dissertation, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório UFMG. http://hdl.handle.net/1843/BUOS-9UPRE6

Tomé, S. M. G. (2011). O processo de reinserção social de apenados: Uma análise comparativa de trajetórias de vida [Master’s dissertation, Universidade Federal de Viçosa]. Locus UFV. https://locus.ufv.br//handle/123456789/3404

United Nations Standard Minimum Rules for the Treatment of Prisoners (the Nelson Mandela Rules). (2015). United Nations. https://undocs.org/A/RES/70/175

United Nations Office on Drugs and Crime. (2007). Handbook of basic principles and promising practices on alternatives to imprisonment. United Nations Office on Drugs and Crime.

Valdeci, F. (2016). Juntando cacos, resgatando vidas. O Lutador.

Vale, A. D. S. (2012). A cultura escolar em prisões distintas: Contrastes e semelhanças entre a escola no presídio e a escola na APAC [Master’s dissertation, Universidade Federal de São João del-Rei]. Repositório UFSJ. https://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/mestradoeducacao/Dissertacao%20Alessandra%20dos%20Santos%20Vale.pdf

Vargas, L. J. O. (2011). É possível humanizar a vida atrás das grades? Uma etnografia do método de gestão carcerária APAC [Doctoral thesis, Universidade de Basília]. Repositório Instituciona da UnB. https://repositorio.unb.br/handle/10482/10416

Wacquant, L. (1999). Les prisons de la misère. Raisons d’agir.

First Page

183

Last Page

198

Figure 1 - Classroom at APAC of São João del-Rei.jpg (148 kB)
Figure 1 - Classroom at APAC of São João del-Rei

 
 
 
View graphic versionView graphic version